Como destruir seu casamento antes dele começar

Tim e Jess só estavam casados há oito meses, mas a lua-de-mel certamente havia acabado. As conversas doces que uma vez marcaram sua relação foram substituídas por  constantes discussões. O riso deles diminuiu, e sua distância aumentou. Sua intimidade sexual quase cessou. O que deu errado? Como Satanás entrou neste jovem casamento? Conforme fui entendendo parte da história do casal, descobri que ele não os havia sabotado na lua de mel, nem nos primeiros meses de adaptação à vida de casados. O Diabo tinha começado seu trabalho antes mesmo de chegarem ao altar. Embora Tim e Jess sejam cristãos, seu namoro e noivado foram marcados com impureza sexual.

Embora os primeiros dias do relacionamento deles estivessem bem, com o passar do tempo eles fizeram transigências consistentemente que se desenvolveram em um padrão mais profundo de pecado sexual. Sempre que pecavam, confessavam um ao outro e faziam juramentos para nunca mais deixá-lo acontecer. Mas acontecia. Por causa da vergonha, eles nunca deixaram ninguém saber o que estava acontecendo. Em retrospectiva, Tim e Jess admitem que seu namoro era um grande encobrimento de engano. Infelizmente, a história de Tim e Jess é muito familiar. Muitos casais cristãos solteiros lutam com o pecado sexual. Isso não deve ser surpresa, pois temos um inimigo contra nós e nosso iminente casamento (1 Pe 5:8). Ele odeia a Deus, e odeia o casamento porque representa o evangelho (Ef 5:32). Uma das estratégias mais eficazes de Satanás para corromper o evangelho retratando na união do casamento é atacar os casais através do pecado sexual antes que eles digam “eu aceito”. Aqui estão quatro de suas manobras mais comuns para atacar casamentos antes que eles comecem.

1. Satanás quer que façamos um padrão de obediência aos nossos desejos em vez da direção de Deus.
Os caminhos de Deus são bons, mas Satanás quer que acreditemos que eles não são. Este foi seu plano desde a primeira convocação para a transigência no jardim (Gn 3: 1-6). Seu objetivo final é que desenvolvamos um padrão consistente de resistir ao Espírito e seguir nossos desejos pecaminosos quando chegamos ao casamento. Ele quer que aprendamos a resistir ao serviço e a perseguir o egoísmo. Se aprendemos a fazer o que queremos quando queremos antes do casamento, vamos levar esse padrão para os dias e anos que se seguem. Isso, no entanto, é mortal, uma vez que o serviço e o sacrifício são essenciais para um casamento saudável e honrado com Cristo. O amor no casamento é demonstrado por mil decisões diárias para fazer o que você não quer – seja fazer pratos ou trocar uma fralda ou assistir a um filme em vez de um jogo de basquete. Se o seu relacionamento antes do casamento é caracterizado por ceder a impulsos de desejo imediato, você certamente vai ter lutas quando você se deparar com o âmago da vida conjugal.

2. Satanás quer que subestimemos quão suscetíveis somos à tentação.
Satanás quer que pensemos que não levaremos o nosso pecado ao próximo nível. Ele quer que pensemos que somos mais fortes do que realmente somos. Ele quer que pensemos que nunca iremos tão longe. Este é um truque poderoso, uma vez que age no nosso orgulho e simultaneamente no nosso desejo bem intencionado de honrar a Deus. Você é mais fraco do que pensa. Você pode ir aonde você acha que não iria. O pecado é como uma subcorrente no oceano – se você ir em direção à ela, você certamente será dominado e varrido para a destruição. Uma das maneiras pelas quais Satanás trabalha este aspecto é o tentando a pensar que a pureza é uma linha que não deve ser cruzada e não uma postura do coração. Ele quer que você pense que pureza diante de Deus é não beijar ou não tirar a roupa ou não fazer sexo oral ou não “percorrer todo o caminho”. Ele quer que você pense que se você não cruzar uma determinada linha, você permanece puro. O problema com este tipo de pensamento, no entanto, é que Jesus diz que se apenas desejamos em nosso coração, temos pecado e estamos condenados diante de Deus (Mateus 5:27-30). Pureza é muito mais sobre a postura de nossos corações do que a posição de nossos corpos. A pergunta “Quão longe é muito longe?” pode revelar um desejo de aproximar-se o máximo possível do pecado, em vez de um desejo de fugir, como o Senhor nos chama a fazer (1 Co 6:18).

3. Satanás quer que os casais enfraquecem sua confiança no outro.
Quando nos comprometemos sexualmente, estamos mostrando a outra pessoa que estamos dispostos a usar e abusar dela para conseguir o que nos faz felizes. Cada vez que ampliamos os limites com a nossa noiva ou levamos ela ao pecado estamos nos comunicando, embora não tenhamos a intenção, “Você não pode confiar em mim, porque eu estou disposto a usar e desconsiderar você para obter o que eu quero.” Esta é certamente uma das estratégias mais mortíferas de Satanás, e aquela que eu suspeito ferir mais Tim e Jess. Eles não confiam um no outro. Eles nunca realmente confiaram. Muito de seu relacionamento no namoro foi envolto no ciclo de pecar, sentir vergonha e recomeçar, que eles nunca desenvolveram uma confiança madura, testada em batalha, no outro. É importante ressaltar, no entanto, que quando resistimos ao pecado sexual, Deus abençoa uma relação com exatamente o efeito oposto. Cada vez que dizemos “não” ao pecado sexual e nos voltamos à oração, dizendo um ao outro que os valorizamos e caminhamos demais com o Senhor para dar um passo adiante, ele usa essa fidelidade para fortalecer a confiança. Minha esposa diz regularmente à casais de namorados que uma das razões porque ela confia em mim é porque eu literalmente corri de situações comprometedoras antes de nos casarmos. Nós não fomos perfeitos em nosso namoro, mas o Senhor usou esse tempo para construir confiança um no outro.

4. Satanás quer enganá-lo com o fruto proibido da luxúria.
Há um mundo de diferença entre sexo pré-marital e sexo dentro do casamento. Uma razão é que o fruto proibido da luxúria retrata o sexo antes do casamento como algo que nem sempre é no casamento. Normalmente, a atividade sexual antes do casamento é como o gás em chamas. A paixão é alta, os sentimentos são intensos, e a vontade de ir mais longe é alimentada pelo conhecimento que você não deve (Rom 7:8). O sexo no casamento é diferente. Ainda há paixão, e ainda há sentimentos e emoções intensos – mas o sexo no casamento baseia-se principalmente nas brasas de confiança, devoção e sacrifício (1Co 7: 1-5). Casais que construíram suas expectativas sexuais sobre a paixão fornecida pelo fruto proibido muitas vezes ficam decepcionados e confusos quando o sexo é diferente no casamento. Minha esposa e eu rimos dessa ideia quando nosso conselheiro pré-nupcial compartilhou ela conosco. Estávamos certos de que seríamos uma exceção à regra. Mas quase seis anos e três filhos mais tarde, ele estava certo. Casais como nós podem ter uma vida sexual forte, mas é alimentado por características mais profundas do que a paixão fugaz. Satanás quer que os casais se acostumem a correr com a cafeína e o açúcar da luxúria, em vez do amor maduro de serviço e sacrifício.

Alguns pensamentos conclusivos

1. Espere na fé. A postura cristã é sempre de espera. Esperamos pelo retorno de Cristo. Esperamos uma eternidade com ele. E crentes solteiros esperam pelas bênçãos do casamento. Diga “não” às promessas do pecado pela fé em Deus. Renove sua mente com a Palavra de Deus e continue esperando com fé.

2. Rapazes, você tem que liderar. Enquanto ambos na relação sejam responsáveis perante Deus, o homem deve definir o ritmo para a pureza. Muitas vezes as moças são forçadas a desenhar os limites e a dizer “não”. Isso é covardia e errado. É responsabilidade do homem cuidar de sua futura esposa, guiando-a para Jesus e longe do pecado, da escuridão e da dor do mal. Se ele definir o padrão errado aqui, ele o levará pelos anos seguintes – e pode nunca recuperar o terreno que ele perder à parte da graça de Deus.

3. Envolver outros a cada passo do caminho. Não deixe que seu relacionamento permaneça sem ser examinado por outros cristãos piedosos. Ambos devem ter um casal de fiéis ou um grupo de amigos fiéis para quem possam se reportar. Peça por perguntas difíceis e dê respostas honestas. Deus usa a transparência para fortalecer.

4. Se você pecar, vá para o evangelho. O apóstolo João escreveu: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.”(1 Jo 2:1-2). Se você pecar, fuja para a cruz. Corra para o túmulo vazio. Olhe para o seu Advogado, confesse o seu pecado profundamente, e se arrependa. Deus ama abençoar este tipo de postura (Pr 28:13). O pecado sexual não precisa ser um punhal no coração de seu namoro, noivado ou casamento. Deus é um Deus misericordioso que se deleita em restaurar o que o pecado procura destruir (Jl 2:25-27). Ele, no entanto, não abençoará a contínua desobediência e presunção sobre sua graça. Se você caiu em pecado sexual, hoje é o dia para implorar por misericórdia e voltar-se para Cristo na fé. Que Deus nos conceda misericórdia para buscar a pureza para a sua glória e para o nosso bem.

Garrett Kell é casado com Carrie, e juntos eles têm quatro filhos. Ele serve como pastor da Igreja Batista Del Ray em Alexandria, Virgínia. Você pode segui-lo no Twitter.
Original aqui: https://www.thegospelcoalition.org/article/how-to-destroy-your-marriage-before-it-begins

Papai Noel: diversão inofensiva ou distração do Natal?

Essa é uma época de perguntas e controvérsias. Ontem conversamos com um historiador a respeito do debate histórico sobre se Herodes o Grande realmente matou todos os meninos em Belém, ou se a história é ficção da Natal. Hoje falamos sobre um debate cultural sobre o Papai Noel.

Claro que esta é a temporada para as perguntas de Papai Noel aqui no “Ask Pastor John”. Temos mais de 50 perguntas sobre este tópico. Agora é claro, Pastor John, como você sabe, existe uma figura histórica grega do século IV chamada São Nicolau. Mas a maioria das perguntas (eu acho que todas as perguntas) que recebemos são sobre o Papai Noel mítico, de barba branca, vestido de vermelho, voando com renas – este mesmo. Corbin, de Gainesville na Geórgia, escreve para perguntar: “Pastor John, os pais devem permitir que seus filhos acreditem que o Papai Noel está trazendo à eles presentes no Natal?” O que você diria sobre Papai Noel?

Depois da Páscoa, o Natal deve ser o dia mais feliz do ano na adoração cristã. A razão que eu digo “depois da Páscoa” é que a Sexta-feira Santa e a Páscoa é o objetivo do Natal. A morte e ressurreição, a salvação dos pecadores através da morte e ressurreição de Jesus, é a meta do Natal. Natal não é o objetivo da Páscoa. O Natal é um meio. A salvação dos pecadores na Sexta-feira Santa e na Páscoa é a meta.

Jesus veio no Natal para buscar e salvar os perdidos (Lucas 19:10). Jesus veio no Natal para salvar os pecadores (1 Timóteo 1:15). Jesus veio no Natal para dar sua vida como resgate por muitos (Marcos 10:45). Jesus veio no Natal não para chamar os justos, mas os pecadores (Mateus 9:13). Jesus veio no Natal para destruir as obras do diabo (1 João 3:8). Jesus veio no Natal para que por meio da morte ele pudesse destruir aquele que tem o poder da morte (Hebreus 2:14).

Assim, o nascimento do Filho de Deus, Deus e homem, é simplesmente deslumbrante e glorioso e infinitamente sério – um transbordamento da feliz notícia. O anjo chamou-a de “boas novas de grande alegria” (Lucas 2:10) – grande alegria, não pequena alegria; Não um pouco de alegria, mas grande alegria.

A minha pergunta é esta: como poderíamos porventura sequer pensar em dar aos nossos filhos uma tigela de mingau sem sabor e sem açúcar quando lhes é oferecida a maior refeição do mundo? Por que dar-lhes o Papai Noel quando eles podem ter a encarnação do Filho de Deus? É simplesmente incompreensível para mim que qualquer cristão sequer contemple tal troca – que desviemos nossa atenção da encarnação do Deus do universo neste mundo para salvar a nós e nossos filhos. Eu mal tenho palavras para isso, que as pessoas contemplem tal coisa. Não só Papai Noel não é verdadeiro e Jesus é muito verdadeiro em si mesmo, mas em comparação com Jesus, o Papai Noel é simplesmente lamentável e nossos filhos devem ser ajudados a ver isso.

– O Papai Noel oferece apenas coisas terrenas, nada duradouro, nada eterno. Jesus oferece a alegria eterna com o mundo de bônus. Sim, o carrinho de bombeiros também é um bônus.

– O Papai Noel oferece coisas efêmeras apenas com a condição de boas obras. Ele sabe quando você está dormindo. Ele sabe quando você está acordado. Ele sabe quando você tem sido ruim ou bom, então seja bom para o seu bem. Isso é puramente religião de obras. E Jesus oferece a si mesmo e todos os dons gratuitamente pela graça através da fé.

– O Papai Noel é faz-de-conta. Jesus é mais real do que o telhado em sua casa.

– O Papai Noel só aparece uma vez por ano. Jesus promete: “Eu estarei sempre convosco” (Mateus 28:20). Você diz para o seu filho todas as noites: Ele está de pé ao lado de sua cama. Ele está com você quando você se levanta pela manhã. Ele está com você quando vai à escola hoje. Se mamãe e papai morrerem, ele estará lá com você. Papai Noel não segura uma vela para esta chama: Jesus.

– O Papai Noel não pode resolver nosso pior problema, mas Jesus resolveu o nosso pior problema – nosso pecado e nossa alienação de Deus. O Papai Noel pode colocar um pouco de cobertura sobre o bolo da vida boa, mas ele não pode pegar uma vida quebrada e reconstruí-la com esperança eterna. E nossos filhos precisam saber isso sobre o Natal.

– O Papai Noel não é relevante em muitas culturas do mundo. E Jesus é o Rei dos reis e Senhor dos senhores de todos os povos do mundo.

– O Papai Noel será esquecido algum dia, e Jesus será o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hebreus 13:8).

Então Tony, não há competição aqui. Não consigo ver por que um pai ou mãe – se eles conhecem e amam Jesus, se eles encontraram em Jesus o maior tesouro do mundo – por que eles tirariam Jesus da celebração e trariam o Papai Noel para dentro da celebração no fim das contas. Ele é simplesmente irrelevante. Ele não tem nada a ver com isso. Ele é sem valor.

Meu conselho é colocar todos seus esforços para tornar seus filhos tão felizes quanto eles possam ser, com todo tipo de surpresa que esteja enraizada no verdadeiro significado do Natal. Deixe suas decorações apontar para Jesus. Deixe sua comida apontar para Jesus. Deixe seus jogos apontar para Jesus. Deixe seu canto apontar para Jesus. Se alegre mais que o mundo. Seja mais generoso que o mundo. Decore melhor que o mundo, e deixe tudo apontar para Jesus. E se ser centrado em Jesus não traz alegria para o seu Natal, então você não o conhece bem.

Traduzido de: http://www.desiringgod.org/interviews/santa-claus-harmless-fun-or-christmastime-diversion

This entry was posted in Outros.

Com quem você é casado(a)?

wyeth

“Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for de outro marido. Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.” Romanos 7:2-4

Nós nos casamos com o Sr. Lei. Ele era um bom homem, à sua maneira, mas ele não entendia a nossa fraqueza. Ele chegava em casa todas as noites e perguntava: “Então, como foi o seu dia? Você fez o que eu disse para você? Fez as crianças se comportarem? Você perdeu tempo com alguma coisa? Completou tudo que eu coloquei na sua lista de tarefas?” Eram muitas exigências e expectativas. E por mais duro que tentássemos, nós não poderíamos ser perfeitos. Nós nunca poderíamos satisfazê-lo. Esquecemos as coisas que eram importantes para ele. Deixamos as crianças se comportam mal. Nós falhamos de muitas maneiras. Foi um casamento infeliz, porque o Sr. Lei sempre apontava as nossas falhas. E o pior de tudo era que ele estava sempre certo! Mas seu remédio era sempre a mesmo: fazer melhor amanhã. Nós não fazíamos, porque não podíamos.

Então, o Sr. Lei morreu. E nós casamos novamente, desta vez para o Sr. Graça. Nosso novo marido, Jesus, chega em casa todas as noites e a casa está uma bagunça, as crianças estão sendo desobedientes, o jantar está queimando no fogão, e ainda temos outros homens na casa durante o dia. Ainda assim, ele puxa-nos em seus braços e diz: “Eu te amo, eu te escolhi, eu morri por você, eu nunca te deixarei, nem te desampararei.” E o nosso coração derrete. Nós não entendemos esse amor. Esperamos que ele nos despreze, rejeite e humilhe, mas ele nos trata tão bem. Estamos tão feliz de pertencer a ele agora e para sempre, e desejamos ser “totalmente agradável a ele” (Colossenses 1:10)!

Ser casada com o Sr. Lei nunca nos mudou. Mas ser casada com o Sr. Graça está nos mudando profundamente por dentro, e isso é visível.

Por Ray Ortlund

Original: http://www.thegospelcoalition.org/blogs/rayortlund/2015/02/20/who-are-you-married-to/

This entry was posted in Outros.

O que nós confessamos com nossa roupa

escolhendo roupas

O que nós vestimos diz muito mais sobre nós do que pensamos.

Muitos de nós provavelmente mal pensamos em nada quando nos vestimos pela manhã. Mas algo realmente profundo está acontecendo cada vez que vestimos nossas calças e colocamos uma camisa – ou cinco camisas se você vive em Minnesota nesta época do ano.

John Piper escreve , em seu novo livro de devocionais, “A Godward Heart: Treasuring the God Who Loves You” (Um coração inclinado para Deus : Valorizando o Deus que Ama Você), “Deus estabeleceu o uso de roupas para testemunhar a glória que perdemos.” As roupas eram parte da ira de Deus contra a nossa rebelião. Elas são uma marca visível de reprovação a um povo desobediente – pessoas que antes tinham sido puras, inocentes, sem vergonha e nus. Não havia necessidade ou finalidade para a Gap ou Old Navy antes da queda, mas agora usamos roupas em todos os momentos – primavera, verão, outono e inverno.

Encobrimento e Confissão

Nossa roupa é uma realidade muito humilhante – a mais antiga operação de encobrimento da humanidade. Por incrível que pareça, quase só pensamos nisso agora em termos de orgulho e aprovação, em termos de moda. Mas o vestiário do jardim, longe de estar na moda, foi um dos momentos mais fatais já conhecido na história.

Quando Deus vestiu Adão e Eva depois de suas tentativas patéticas, Piper descreve, ele estava dizendo: “Você não é o que você era e você não é o que você deveria ser. Cobrir a si mesmo com roupa é a resposta certa para isso – não para esconder, mas para confessar”. Nós confessamos com a nossa roupa que somos pecadores, que precisam ser purificados e que devemos ser cobertos até que sejamos feitos novos.

Nova Rebelião de Nudez

Nossas roupas confessam nosso pecado e a necessidade de salvação, mas Piper continua a dizer: “… e a isso é adicionado a rebelião de tirá-las.” Tragicamente, o horror de ter de usar roupas por causa da nossa rebelião é aumentada quando inadequadamente expomos nós mesmos ou consetimos com outros fazendo isso. A nudez, uma vez universalmente pura e boa, é manipulada, abusada e ostentada a fim de satisfazer o pecado, uma rebelião ainda pior ante o Deus que criou e cobriu nossos corpos.

A esperança de Revestimento

Mas o pecado do jardim e os pecados de luxúria e imodéstia não são o fim da história e do propósito das roupas nas Escrituras. Piper escreve: “Nossas roupas são um testemunho tanto para o nosso fracasso passado e presente quanto para nossa glória futura”. Roupas confessam nosso desespero pecaminoso, mas também anunciam o plano de Deus para nos vestir perfeitamente em Cristo. Como Deus matou os animais para cobrir Adão e Eva, ele matou seu Filho para cobrir seus escolhidos, pessoas débeis (Apocalipse 5:9). Ele pretende nos envolver nas imaculadas, santas, vestimentas gloriosas de nosso Salvador (Gálatas 3:27).

Ajuda diária para seu coração

Seguir Jesus começa com ouvir tudo o que ele nos ensinou, mas mesmo os melhores ouvintes devem aprender a aplicar a verdade para toda a vida, até mesmo seu vestuário. À medida que nos vestimos e despimos centenas de vezes a cada ano, nós devemos ter a consciência da dolorosa razão de vestimos qualquer coisa, uma sobriedade e modéstia na forma como nos vestimos, e uma esperança na promessa de Deus de nos vestir na perfeita justiça de Jesus. Portanto, o seu armário – não, não é o seu quarto de oração , neste caso – pode se tornar um momento surpreendentemente espiritual, colocando você e Deus em seus devidos lugares antes de começar seu dia.

Em “A Godward Heart”, Piper aborda muitas questões e problemas como a roupa – estereótipos, mídia social, justiça social, dons espirituais, política, criação de filhos e outros – tudo isso mantendo o objetivo principal de buscar um coração apaixonado por Deus em todas as circunstâncias. Os cinqüenta devocionais oferecem centenas de lições de vida que ajudarão você a cultivar a sabedoria de Cristo e adoração nos lugares que Deus colocou você no momento.

Marshall Segal (@MarshallSegal) é assistente executiva do John Piper, recentemente graduada no Bethlehem Seminary em Minneápolis, e autora de “Single, Satisfied, and Sent: Mission for the Not-Yet Married” (Solteiro, Satisfeito e Enviado: Missão para os ainda não casados).

Original: http://www.desiringgod.org/blog/posts/what-we-confess-with-our-clothing

This entry was posted in Outros.

6 inimigos mortais do casamento

6 inimigos mortais do casamento

Por Tim Challies

O casamento está sob ataque. O casamento sempre esteve sob ataque. O mundo, a carne e o diabo são todos fortemente opostos ao casamento, especialmente aos casamentos que são claramente cristãos. O casamento, afinal de contas, é dado por Deus para fortalecer o seu povo e para glorificar a si mesmo; não é de se admirar, então, que este seja constantemente um grande campo de batalha.

Eu tenho pensado recentemente sobre alguns dos principais inimigos do matrimônio cristão e, realmente, os inimigos mais importantes que vejo furtivamente vir para atacar o meu próprio casamento. Aqui estão 6 inimigos mortais do casamento, do casamento cristão em particular.

Negligência do Fundamento

O inimigo de casamento que merece estar no topo da lista é este: negligenciar o fundamento — o fundamento bíblico. A Bíblia deixa claro que o casamento é uma instituição decretada por Deus e uma instituição destinada a glorificar a Deus por meio de mostrar algo sobre ele. O grande mistério do casamento é que a relação de aliança entre marido e mulher é um retrato do relacionamento de aliança de Cristo e sua igreja. O casamento é de Deus, sobre Deus, a Deus, e para Deus, por isso negligenciamos a Deus por nossa conta e risco. Somente quando o fundamento bíblico está no lugar nós somos capazes de entender corretamente como marido e mulher devem se relacionar, como devem assumir seus diferentes papéis e como eles devem procurar trazer glória a Deus, tanto individualmente e também como um casal. Construir o casamento sobre qualquer outro fundamento é negligenciar a rocha, em favor da construção sobre a areia.

Negligência da Oração

A oração é nosso sinal de vida, o meio pelo qual louvamos a Deus, expressamos nossa gratidão, confessamos nossos pecados e pedimos ajuda. O casal que ora unido está confessando diante de Deus que eles são dependentes dele, que eles são incapazes de florescer sem ele. A oração particular é essencial para a vida cristã, e orar como um casal é essencial para o casamento cristão. Aqui, ajoelhado ao lado da cama ou sentado junto à lareira, o marido e a esposa se encontram com o Senhor juntos, louvando-o por sua bondade e graça, confessando seu pecado contra ele e um contra o outro e implorando por sua sabedoria e ajuda. Quando a oração cessa, o casal está secretamente proclamando que eles podem sobreviver e crescer por conta própria, que eles não precisam de Deus de forma constante, de assistência momento a momento. A ausência da oração é um grande inimigo do casamento.

Negligência da Comunhão

Outro grande inimigo do casamento é uma falta de comunhão na igreja local. Satanás adora quando ele pode compelir uma pessoa a sair da igreja, muito mais quando ele afasta um casal ou uma família inteira. Quando um casal deixa a igreja, ou até mesmo se afasta, fazendo apenas o mínimo, eles estão deixando o local destinado para ver um casamento saudável modelado, onde eles são capazes de adorar juntos, lado a lado, onde eles vão encontrar amigos diante dos quais eles podem abrir o seu casamento para que outros possam ver e diagnosticar suas lutas. O casamento prospera no contexto da igreja local e murcha fora dela.

Negligência da Comunicação

Assim como Satanás quer que um casal pare de se comunicar com Deus através da oração, ele também quer que o casal pare de se comunicar um com o outro. Comunicação livre, aberta e regular é a chave para qualquer relacionamento, nenhum outro mais do que o casamento. Quando um casal é capaz e disposto a se comunicar, eles são capazes de admitir e trabalhar com as dificuldades, eles são capazes de compartilhar tanto as alegrias e as tristezas que são inevitáveis em uma vida juntos. Muitos casais param de se comunicar, ou talvez nunca aprenderam. Em vez de trabalhar os problemas, eles permitem que estes permaneçam, apodreçam e tornem-se tóxicos. Comunicação é a chave para um casamento saudável e a falta de comunicação é um inimigo perigoso.

Negligência dos Interesses Comuns

Quando um casal está namorando é raro eles perceberem que eles não têm nada em comum, que eles compartilham poucos interesses. Mas à medida que o tempo passa, quando eles se tornam marido e mulher e estabelecem a vida normal, eles podem facilmente cair em suas rotinas separadas. Agora eles vivem sozinhos juntos, duas pessoas levando suas vidas separadas sob o mesmo teto. Interesses compartilhados motivam tempo compartilhado, conversa compartilhada, paixão compartilhada. Pode ser um passatempo, pode ser uma atividade, pode até mesmo ser um programa de televisão, mas precisa ser alguma coisa. A negligência dos interesses comuns é um grande inimigo para um casamento saudável.

Negligência do Sexo

Deus foi bom em prover esse dom estranho e misterioso do sexo a fim de unir marido e mulher juntos de uma forma única. O sexo é a super cola de um casamento saudável e ainda assim a maioria dos casais nunca estão distantes de negligenciá-lo ou de substituí-lo por pornografia ou algo assim, qualquer outra coisa. A Bíblia exige que o marido e a mulher mantenham a relação sexual em todas as circunstâncias exceto em uma específica — de acordo mútuo, por um curto período de tempo, a fim de concentrar-se em oração. Há momentos inevitáveis quando nada parece mais difícil do que buscar a relação sexual e nada parece mais fácil do que negligenciá-la, mas negligenciar o sexo é desobedecer a Deus diretamente. Negligenciar o sexo é desconsiderar um dos grandes e indispensáveis presentes de Deus.

Se Satanás não puder destruir um casamento, ele vai ao menos determinar enfraquecê-lo. Negligenciar qualquer uma dessas 6 coisas é convidar a sua presença e dar boas-vindas à sua influência.

Original: http://www.challies.com/christian-living/6-deadly-enemies-of-marriage

Será que a pílula anticoncepcional causa abortos? Um resumo.

anticoncepcional“Pílula” é o termo popular para mais de quarenta contraceptivos orais diferentes disponíveis no mercado. Na medicina são comumente referidas como BCPs (Birth Control Pills – Pílulas Anticoncepcionais) ou COs (Contraceptivos Orais). Também são chamadas de “pílulas combinadas”, porque contêm uma combinação de estrogênio e progesterona.

A pílula é usada por cerca de quatorze milhões de mulheres americanas a cada ano. Em todo o mundo ela é usada por cerca de sessenta milhões. A questão de saber se ela provoca abortos tem relação direta com milhões de cristãos desinformados, muitos deles pró-vida, que a usam e recomendam.

Em 1991, enquanto pesquisava para a edição original do meu livro, ProLife Answers to ProChoice Arguments (Respostas Pró-Vida para Argumentos Pró-Escolha), ouvi alguém sugerindo que pílulas anticoncepcionais podem causar abortos. Isso era novo para mim, em todos os meus anos como um pastor e um pró-vida eu nunca tinha ouvido isso antes. Naquele momento eu estava cético.

Meus interesses pessoais eram fortes porque Nanci e eu usamos a pílula nos primeiros anos do nosso casamento, assim como muitos de nossos amigos pró-vida. Por que não? Acreditávamos que simplesmente impedia a concepção. Nós nunca suspeitamos que isso tivesse algum potencial para abortar. Ninguém nos disse nem que isso era uma possibilidade. Eu confesso que nunca li as letras miúdas da bula da pílula, nem tenho certeza de que eu teria entendido mesmo se eu tivesse lido.

Em 14 anos como pastor eu fiz uma quantidade considerável de aconselhamentos pré-nupciais, sempre adverti casais contra o DIU porque eu tinha lido que poderia causar abortos precoces. Eu tipicamente recomendava aos jovens casais a usar a pílula por causa de sua relativa facilidade e eficácia.

Na época que eu estava pesquisando para o ProLife Answers, encontrei uma única pessoa que poderia me apontar na direção de qualquer documentação que ligava a pílula ao aborto. Ela disse-me apenas de uma fonte primária que dava suporte a esta crença e eu encontrei apenas uma outra. Ainda assim, estas duas fontes eram suficientes para obrigar-me a incluir este aviso no livro:

“Algumas formas de contracepção, especificamente o dispositivo intrauterino (DIU), Norplant, e certos contraceptivos orais de baixa dosagem muitas vezes não evitam a concepção, mas impedem a implantação de um óvulo já fertilizado. O resultado é um aborto precoce, o assassinato de um indivíduo já concebido. Tragicamente, muitas das mulheres não são avisadas disso por seus médicos, e, portanto, não fazem uma escolha informada sobre qual contraceptivo usar.” [1]

Como se vê, eu cometi uma erro crítico. Na época, eu acreditava incorretamente que pílulas contraceptivas de baixa dosagem eram a exceção, não a regra. Eu pensava que a maioria das pessoas que tomavam a pílula não tinham perigo algum de ter abortos. O que eu encontrei numa investigação mais recente é que desde 1988 virtualmente todos os contraceptivos orais usados na América do Norte são de baixa dosagem, isto é, contêm níveis muito mais baixos de estrogênio do que as primeiras pílulas anticoncepcionais.

A quantidade padrão de estrogênio em pílulas anticoncepcionais da década de 1960 e início dos anos 70 era de 150 microgramas.

Depois da pílula estar no mercado por 15 anos, muitos efeitos colaterais negativos graves do estrogênio tinham sido claramente comprovados. Estes incluíam visão turva, náusea, cólicas, sangramento menstrual irregular, dores de cabeça, aumento da incidência de câncer de mama, derrames e ataques cardíacos, alguns dos quais foram fatais. [2]

Em resposta a estas preocupações, começando em meados dos anos 70, os fabricantes de pílula diminuíram de forma constante o teor de estrogênio e progesterona em seus produtos. A dosagem média de estrogênio na pílula declinou de 150 microgramas em 1960 para 35 microgramas em 1988. Estes fatos estão diretamente declarados em uma propaganda da Association of Reproductive Health Professionals (Associação dos Profissionais da Saúde Reprodutiva) e Ortho Pharmaceutical Corporation na revista Hippocrates. [3]

O Pharmacists for Life (Farmacêuticos pela Vida) confirma: “Em de outubro de 1988, as novas pílulas contraceptivas de baixa dosagem são o único tipo disponível nos EUA, por um acordo mútuo do Food and Drug Administration e os três os principais fabricantes de pílula.” [4]

O que agora é considerada uma “alta dose” de estrogênio é 50 microgramas, o que é de fato uma dose muito baixa em comparação com os 150 microgramas que foi o padrão para a pílula. As pílulas de baixa dosagem de hoje são em sua maioria de 20-35 microgramas. Até onde eu posso dizer, não há pílulas anticoncepcionais disponíveis hoje que tenham mais do que 50 microgramas de estrogênio. Uma médica escreveu para me informar que ela tinha pesquisado muitas pílulas pelo nome e poderia confirmar minhas descobertas. Se tais pílulas realmente existirem, certamente elas são raras.

Eu não estava errado apenas em pensar que contraceptivos de baixa dosagem eram a exceção ao invés da regra, como não percebi que havia considerável informação médica documentada ligando pílulas anticoncepcionais e aborto. A evidência estava lá, eu simplesmente não sondei profundamente o suficiente para encontrá-la. Ainda assim mais evidências vieram à tona nos anos subsequentes. Eu tenho apresentado esta evidência em detalhe na página 115 do meu livro Does the Birth Control Pill Cause Abortions (Será que a pílula anticoncepcional causa aborto?). Eu irei agora resumir essa pesquisa.

O Physician’s Desk Reference (PDR)

O Physician’s Desk Reference (Referência Médica de Mesa) é o livro de referência mais frequentemente usado por médicos na América do Norte. O PDR, como ele é muitas vezes chamado, lista e explica os efeitos, benefícios e riscos de cada produto médico que pode ser prescrito legalmente. O Food and Drug Administration requer que cada fabricante forneça informações precisas de seus produtos com base em pesquisa científica e testes de laboratório.

À medida que você ler o que segue, tenha em mente que o termo “implantação”, por definição, sempre envolve um ser humano já concebido. Portanto, qualquer agente que sirva para evitar a implantação tem a função de um abortivo.

Esta é a informação de produto do PDR para o Ortho-Cept, listado como Ortho, um dos maiores fabricantes de pílula:

Contraceptivos orais combinados agem pela supressão das gonadotrofinas. Embora o mecanismo primário desta ação seja a inibição da ovulação, outras alterações incluem mudanças no muco do colo do útero, as quais aumentam a dificuldade do espermatozoide entrar no útero, e mudanças no endométrio que reduzem a probabilidade de implantação. [5]

As informações de pesquisa requeridas pelo FDA para as pílulas anticoncepcionais Ortho-Cyclen e Ortho Tri-Cyclen também atestam que elas causam “mudanças no… endométrio (os quais reduzem a probabilidade de implantação).” [6]

Observe que essas mudanças no endométrio e sua redução da probabilidade de implantação não são afirmadas pelo fabricante como efeitos especulativos ou teóricos, mas como efeitos reais. Eles consideram isto um fato bem estabelecido que não requer nenhuma declaração de qualificação.

Da mesma forma, como eu documento em meu livro, Syntex e Wyeth, os outros dois principais fabricantes de pílula dizem essencialmente a mesma coisa sobre seus contraceptivos orais.

As bulas embaladas com pílulas anticoncepcionais são versões condensadas de trabalhos de pesquisa mais longos que detalham os efeitos, mecanismos e riscos da pílula. Perto do fim, a bula tipicamente diz algo como o seguinte, que foi tirado diretamente da bula da pílula Desogen:

Se você quiser obter mais informações sobre pílulas anticoncepcionais, pergunte ao seu médico, clínica ou farmacêutico. Eles têm um folheto mais técnico chamado The Professional Labeling (A Bula Profissional), o qual você pode desejar ler. O Professional Labeling também é publicado em um livro intitulado Physician‘s Desk Reference, disponível em muitas livrarias e bibliotecas públicas.

Da meia dúzia de bulas de pílulas anticoncepcionais que eu li, apenas uma incluía informações sobre o mecanismo abortivo da pílula. Esta bula estava em um pacote datado de 12 de julho de 1994, encontrado no anticoncepcional oral Demulen, fabricado por Searle. Ainda que este mecanismo abortivo seja referido em todos os casos no Professional Labeling do fabricante exigido pelo FDA, conforme documentado no Physician‘s Desk Reference.

Em resumo, de acordo com múltiplas referências em todo o Physician‘s Desk Reference, que articula os resultados da investigação de todos os fabricantes de pílula anticoncepcional, não há apenas um, mas três mecanismos de funcionamento das pílulas anticoncepcionais:

1. Inibindo a ovulação (o mecanismo primário);

2. Engrossando o muco do colo do útero, tornando desse modo, mais difícil para o esperma viajar para até o ovo; e

3. Afinando e secando o revestimento do útero a ponto de ser incapaz ou menos capaz de facilitar o implante do ovo recém-fertilizado.

Os dois primeiros mecanismos são contraceptivos. O terceiro é abortivo.

Quando uma mulher que está tomando a pílula descobre que está grávida (de acordo com tabelas de taxa de eficácia do Physician‘s Desk Reference, são 3 por cento das usuárias de pílula por ano), significa que todos os três mecanismos falharam. O terceiro mecanismo de controle às vezes falha no seu papel de backup, simplesmente como o primeiro e segundo mecanismos, às vezes, falham. Todas as vezes que o terceiro mecanismo de controle for bem-sucedido, no entanto, ele causa um aborto.

Periódicos médicos e livros didáticos

Em um artigo da revista científica Contraception (Contracepção), os doutores Chowdhury, Joshi e associados declaram: “Os dados sugerem que, embora esquecimentos das pílulas combinadas de baixa dosagem possam resultar em um ‘escape’ de ovulação em algumas mulheres, no entanto, os efeitos farmacológicos das pílulas sobre o endométrio e muco cervical podem continuar a proporcioná-las proteção contraceptiva.” [7]

Note que em algumas citações “contraceptivo” é usado para se referir a um agente que impede o implante de uma criança já concebida. Aqueles que acreditam que cada vida humana começa no momento da concepção deveriam ver esta função não como contraceptiva, mas abortiva.

Endocrinologistas reprodutivos têm demonstrado que as mudanças induzidas pela pílula fazem o endométrio parecer “hostil” ou “pobremente receptivo” para a implantação. [8] Imagens de ressonância magnética revelam que o forro do endométrio das usuárias de pílula é consistentemente mais fino do que das não usuárias [9] – até 58 por cento mais fino. [10] Estudos recentes e bastante sofisticados de ultrassom [11] concluem que a espessura endometrial está relacionada com a “receptividade funcional” do endométrio. Outros têm mostrado que, quando o forro do útero se torna demasiadamente fino, o implante da criança pré-concebida (chamada de blastocisto ou pré-embrião neste estágio) não ocorre [12].

Implantação do óvulo no endométrioA espessura endometrial mínima necessária para manter uma gravidez varia de 5 a 13 mm [13], ao passo que a espessura média endometrial em mulheres que usam a pílula é de apenas 1,1 mm [14]. Estes dados dão credibilidade para a declaração aprovada pelo FDA que “mudanças no endométrio reduzem a probabilidade de implantação.” [15]

A drª. Kristine Severyn diz:

O terceiro efeito dos contraceptivos orais combinados é alterar o endométrio de tal forma que o implante do ovo fertilizado (uma nova vida) é tornado mais difícil, se não, impossível. Com efeito, o endométrio torna-se atrofiado e incapaz de suportar o implante do ovo fertilizado… As modificações do endométrio o tornam hostil ao implante do ovo fertilizado, proporcionando um método abortivo adicional para prevenir a gravidez. [16]

Pesquisadores tem, repetida e consistentemente, destacado este efeito abortivo da pílula. Até o momento não existem estudos publicados refutando esses achados.

O Dr. Walter Larimore é um professor clínico de medicina da família que tem escrito mais de 150 artigos médicos em uma ampla variedade de revistas. Em dois grandes artigos de periódicos médicos, ele abordou a questão da capacidade da pílula causar abortos precoces [17]. Em 2000, Dr. Larimore e eu fomos coautores de um capítulo sobre este assunto em The Reproduction Revolution: A Christian Appraisal of Sexuality, Reproductive Technologies and the Family (A Revolução da Reprodução: Uma Avaliação Cristã da Sexualidade, Tecnologias Reprodutivas e a Família) [18]. No mesmo capítulo, quatro médicos cristãos apresentam sua crença de que a pílula não resulta em abortos precoces. Nós respeitosamente sugerimos que o caso deles não é baseado solidamente na evidência médica. (Em Fevereiro de 2001, o Dr. Larimore foi trazido para a equipe do Focus on the Family (Foco na Família), como um comentarista e “um embaixador ao público em ética, procedimentos e práticas médicas.”)

O que isso significa?

Conforme o ciclo menstrual de uma mulher progride, seu endométrio se torna gradualmente mais rico e mais espesso em preparação para a chegada e implantação de qualquer criança recém-concebida. Em um ciclo natural, sem ser impedido pela pílula, o endométrio experimenta um aumento dos vasos sanguíneos, o qual permite que um maior suprimento de sangue traga oxigênio e nutrientes para a criança. Há também um aumento do estoque de glicogênio no endométrio, um açúcar que serve como uma fonte de alimento para o blastocisto (criança) tão breve ela seja implantada.

A pílula evita que o corpo da mulher crie um ambiente mais hospitaleiro para a criança, resultando, ao invés disso, em um endométrio que é deficiente tanto em alimento (glicogênio) quanto em oxigênio. A criança pode morrer porque ela carece desta nutrição e de oxigênio.

Tipicamente, a nova pessoa tenta se implantar seis dias após a concepção. Se a implantação não for bem sucedida, a criança é lavada para fora do útero em um aborto. Quando o aborto é o resultado de um ambiente criado por um dispositivo externo ou produto químico, isto é de fato um aborto. Isso é verdadeiro mesmo se a mãe não tem a intenção e não está ciente do acontecimento.

Apesar de toda pesquisa, incluindo muito mais que é apresentado em meu livreto completo, existem aqueles que insistem que esta argumentação está incorreta e não deve ser considerada de valor por aqueles preocupados com abortos precoces. No caso dos fabricantes de pílulas, aqueles que dizem que suas declarações aprovadas pelo FDA são falsas, deveriam, em minha opinião, convencer o FDA a mudar suas declarações e não simplesmente pedir às pessoas para desconsiderá-las.

Confirmando a evidência

Quando a pílula afina o endométrio, parece evidente que um zigoto tentando se implantar tem uma probabilidade menor de sobrevivência. Uma mulher que toma a pílula coloca qualquer criança concebida em maior risco de aborto do que se a pílula não estivesse sendo tomada.

Alguns argumentam que esta evidência é indireta e teórica. Mas nós devemos perguntar, se esta é uma teoria, o quão forte e acreditável é a teoria? Se a evidência é apenas indireta, quão convincente é essa evidência indireta? Outrora era apenas teoria que a vida vegetal cresce melhor em solo rico e fértil do que em um solo fino e erodido. Mas era uma teoria em que certamente bons agricultores acreditavam e agiam de acordo com ela.

Alguns médicos têm teorizado que quando a ovulação ocorre em usuárias de pílulas, a produção de hormônio subsequente “liga” o endométrio, fazendo com que se torne receptivo à implantação. [19] No entanto, não há nenhuma evidência direta para apoiar esta teoria e há ao menos algumas provas contra ela. Em primeiro lugar, depois que uma mulher para de tomar a pílula, normalmente leva vários ciclos para seu fluxo menstrual aumentar até o volume de mulheres que não estão tomando pílula. Isto sugere para os pesquisadores mais objetivos que o endométrio é lento para se recuperar do afinamento induzido pela pílula. [20] Em segundo lugar, o único estudo que observou mulheres que ovularam tomando a pílula mostrou que após a ovulação o endométrio não é receptivo à implantação. [21]

Argumentos Contra a Pílula Causar Aborto

Eu tenho recebido uma série de cartas de leitores, um deles um médico, que diz algo assim: “Minha irmã ficou grávida enquanto estava tomando pílula. Isso prova que vocês estão errados ao dizer que a pílula causa abortos – obviamente ela não poderia ter causado,  já que ela teve o bebê!”

Sem dúvida, os efeitos da pílula sobre o endométrio nem sempre tornam a implantação impossível. Eu nunca ouvi ninguém alegar que ela o faça. Para ser um abortivo não é necessário que algo sempre cause um aborto, apenas que faça algumas vezes.

Quer se trate de RU-486, Norplant, Depo-Provera, a pílula do dia seguinte, a mini-pílula ou pílula, não há nenhum produto químico que sempre cause um aborto. Há apenas os que nunca causam, que causam às vezes, muitas vezes e geralmente.

Crianças que brincam na rodovia, escalam o telhado ou são deixadas sozinhas nadando em piscinas nem sempre morrem, mas isto não prova que essas práticas sejam seguras e nunca resultem em fatalidades. Nós veríamos imediatamente esta inconsistência em qualquer pessoa que argumentasse em favor de deixar as crianças sozinhas nadando em piscinas porque elas sabem de casos em que isto foi feito sem danos para as crianças. O ponto de que a pílula nem sempre impede a implantação é certamente verdade, mas não tem relação com a questão de que algumas vezes ela impede a implantação, o que os dados sugerem claramente.

As pessoas também argumentam frequentemente: “O blastocisto é perfeitamente capaz de se implantar em vários lugares ‘hostis’, por exemplo, nas trompas de Falópio, no ovário e no peritônio”.

O argumento delas é que a criança, por vezes, se implanta no lugar errado. Isto é inegavelmente verdadeiro. Mas, novamente, a única questão relevante é saber se a pílula algumas vezes inibe a capacidade da criança de se implantar no lugar certo.

Imagine um agricultor que tem dois lugares onde que ele poderia semear. Um deles é um solo marrom e rico que foi lavrado, fertilizado e regado. O outro é um solo duro, ralo, seco e rochoso. Se o agricultor quer que tantas sementes quanto for possível vinguem e cresçam, onde ele vai plantar a semente? A resposta é óbvia – no chão fértil.

Agora, você poderia dizer para o agricultor que a sua preferência pelo solo lavrado, rico e úmido é baseado em pressupostos teóricos, porque ele provavelmente nunca viu um estudo científico que prove que este solo é mais hospitaleiro para semente do que o solo ralo, duro e seco. Provavelmente tal estudo nunca foi feito. Em outras palavras, não há nenhuma prova absoluta.

Mas o agricultor provavelmente responderia, baseado em anos de observação: “Eu reconheço um bom solo quando vejo um. Claro, eu já vi algumas plantas crescerem em um solo duro e ralo também, mas as chances de sobrevivência são muito menores lá do que em um bom solo. Chame isso de teórico se você quiser, mas todos nós sabemos que é verdade!”

Algumas crianças recém-concebidas conseguem sobreviver temporariamente em lugares hostis. Mas de nenhuma forma isso muda o fato óbvio de que muito mais crianças sobreviverão em um endométrio mais rico, mais espesso e mais hospitaleiro do que em um mais fino, mais inóspito.

(Em outras publicações, e de uma forma muito mais detalhada, nós temos discutido estas e outras linhas de evidência com centenas de citações de muitos estudos científicos, bem como pesquisadores e especialistas em numerosos campos. Nós incentivamos os leitores interessados a olhar mais profundamente esses estudos e argumentos. [22])

Apesar desta evidência, alguns médicos pró-vida afirmam que a probabilidade da pílula ter um efeito abortivo é “infinitesimamente baixa, ou inexistente.” [23] Embora eu quisesse muito acreditar nisto, a evidência científica não me permite fazê-lo.

O Dr. Walt Larimore me disse que sempre que tem apresentado esta evidência para audiências de médicos seculares, tem havido pouca ou nenhuma resistência a ela. Mas quando ele tem apresentado para médicos cristãos, tem tido resistência substancial. Uma vez que os médicos seculares não se importam se a pílula impede a implantação, eles tendem a ser objetivos na interpretação da evidência. Afinal de contas, eles têm pouco ou nada em jogo de uma forma ou de outra. Muitos médicos cristãos, no entanto, não querem acreditar que a pílula cause abortos precoces. Portanto, eu acredito, eles tendem a resistir à evidência. Isto é certamente compreensível. No entanto, nós não devemos permitir que o que nós queremos acreditar nos distraia do que a evidência nos indica que deveríamos acreditar.

Eu mencionei meus próprios interesses pessoais na pílula que a princípio me fizeram resistir às evidências sugerindo que ela poderia causar abortos. O Dr. Larimore veio para esta questão com ainda maiores interesses pessoais em acreditar no melhor sobre a pílula anticoncepcional, depois de tê-la prescrito por anos. Quando ele pesquisou isso intensivamente ao longo de um período de dezoito meses, em que ele descreveu para mim como um processo “extremamente doloroso”, que envolveu noites sem dormir, ele chegou à conclusão de que, em boa consciência, não poderia mais prescrever contraceptivos hormonais, incluindo a pílula, a minipílula, Depo-Provera e Norplant.

Conclusão

A pílula é usada por cerca de quatorze milhões de mulheres americanas a cada ano e sessenta milhões de mulheres internacionalmente. Assim, mesmo uma porção infinitesimamente baixa (digamos, um centésimo de um por cento) de 780 milhões de ciclos de pílula por ano, globalmente, poderia representar dezenas de milhares de crianças não nascidas perdidas para esta forma de aborto químico anualmente. Quantas vidas jovens terão que ser prejudicadas para crentes pró-vida questionarem a ética do uso da pílula? Esta é uma questão com profundas implicações morais para aqueles que creem que somos chamados para proteger as vidas das crianças.

Este artigo é uma versão muito resumida do que aparece no Apêndice E do livro de Randy Alcorn, ProLife Answers to ProChoice Arguments (Respostas Pró-Vida para Argumentos Pró-Escolha) e foi reimpresso com permissão. Enquanto o argumento básico é declarado aqui, muito da evidência documentada tem sido deixado de fora devido a restrições de espaço. Um tratamento ainda mais minucioso (com 139 notas de rodapé) deste assunto pode ser encontrado na página 197 do livro de Randy Alcorn, Does the Birth Control Pill Cause Abortions? (Será que a pílula anticoncepcional causa abortos?).

[1] Randy Alcorn, Prolife Answers to ProChoice Arguments (Multnomah Publishers: Sisters, OR: 1992, 1994) 118.

[2] Nine Van der Vange, “Ovarian Activity During Low Dose Oral Contraceptives,” published in Contemporary Obstetrics and Gynecology, edited by G. Chamberlain (London: Butterworths, 1988), 315-16.

[3] Hippocrates, May/June 1988, 35.

[4] Oral Contraceptives and IUDs: Birth Control or Abortifacients?, Pharmacists for Life, November 1989, 1.

[5] Physicians’ Desk Reference (Montvale, NJ: Medical Economics, 1998).

[6] The PDR, 1995, page 1782.

[7] “Escape Ovulation In Women Due To The Missing Of Low Dose Combination Oral Contraceptive Pills,” Contraception, September 1980; 241.

[8] Abdalla HI, Brooks AA, Johnson MR, Kirkland A, Thomas A, Studd JW. “Endometrial Thickness: A Predictor Of Implantation In Ovum Recipients?” Human Reprod 1994;9:363-365.

[9] Bartoli JM, Moulin G, Delannoy L, Chagnaud C, Kasbarian M. “The Normal Uterus On Magnetic Resonance Imaging And Variations Associated With The Hormonal State.” Surg Radiol Anat 1991;13:213-20; Demas BE, Hricak H, Jaffe RB. “Uterine MR Imaging: Effects Of Hormonal Stimulation.” Radiology 1986;159:123-6; McCarthy S, Tauber C, Gore J. “Female Pelvic Anatomy: MR Assessment Of Variations During The Menstrual Cycle And With Use Of Oral Contraceptives.” Radiology 1986; 160: 119-23.

[10] Brown HK, Stoll BS, Nicosia SV, Fiorica JV, Hambley PS, Clarke LP, Silbiger ML. “Uterine Junctional Zone: Correlation Between Histologic Findings And MR Imaging.” Radiology 1991;179:409-413.

[11] Abdalla, et al., “Endometrial thickness”; Dickey RP, Olar TT, Taylor SN, Curole DN, Matulich EM. “Relationship Of Endometrial Thickness And Pattern To Fecundity In Ovulation Induction Cycles: Effect Of Clomiphene Citrate Alone And With Human Menopausal Gonadotropin.” Fertil Steril 1993;59:756-60; Gonen Y, Casper RF, Jacobson W, Blankier J. “Endometrial Thickness And Growth During Ovarian Stimulation: A Possible Predictor Of Implantation In In-Vitro Fertilization.” Fertil Steril 1989;52:446-50; Schwartz LB, Chiu AS, Courtney M, Krey L, Schmidt-Sarosi C. “The Embryo Versus Endometrium Controversy Revisited As It Relates To Predicting Pregnancy Outcome In In-Vitro Fertilization-Embryo Transfer Cycles.” Hum Reprod 1997;12:45-50; Shoham Z, et al. “Is It Possible To Run A Successful Ovulation Induction Program Based Solely On Ultrasound Monitoring: The Importance Of Endometrial Measurements.” Fertil Steril 1991;56:836-841; Noyes N, Liu HC, Sultan K, Schattman G, Rosenwaks Z. “Endometrial Thickness Appears To Be A Significant Factor In Embryo Implantation In In-Vitro Fertilization.” Hum Reprod 1995;10:919-22; Vera JA, Arguello B, Crisosto CA. “Predictive Value Of Endometrial Pattern And Thickness In The Result Of In Vitro Fertilization And Embryo Transfer.” Rev Chil Obstet Gynecol 1995;60:195-8; Check JH, Nowroozi K, Choe J, Lurie D, Dietterich C. “The Effect Of Endometrial Thickness And Echo Pattern On In Vitro Fertilization Outcome In Donor Oocyte-Embryo Transfer Cycle.” Fertil Steril 1993;59:72-5; Oliveira JB, Baruffi RL, Mauri AL, Petersen CG, Borges MC, Franco JG Jr. “Endometrial Ultrasonography As A Predictor Of Pregnancy In An In-Vitro Fertilization Programme After Ovarian Stimulation And Gonadotrophin-Releasing Hormone And Gonadotrophins.” Hum Reprod 1997;12:2515-8; Bergh C, Hillensjo T, Nilsson L. “Sonographic Evaluation Of The Endometrium In In-Vitro Fertilization IVF Cycles. A Way To Predict Pregnancy?” Acta Obstet Gynecol Scand 1992;71:624-8.

[12] Abdalla HI, et al., “Endometrial thickness”; Dickey, et al., “Relationship Of Endometrial Thickness”; Gonen, et al., “Endometrial Thickness And Growth”; Oliveira, et al., “Endometrial Ultrasonography As A Predictor”; Bergh, et al., “Sonographic Evaluation Of The Endometrium”.

[13] The 5mm figure is from Glissant, A, de Mouzon, J, Frydman R. “Ultrasound Study Of The Endometrium During In Vitro Fertilization Cycles.” Fertil Steril 1985;44:786-90. The 13mm figure is from Rabinowitz R, Laufer N, Lewin A, Navot D, Bar I, Margalioth EJ, Schenker JJ. “The value of ultrasonographic endometrial measurement in the prediction of pregnancy following in vitro fertilization.” Fertil Steril 1986;45:824-8

[14] McCarthy, et al., “Female Pelvic Anatomy”.

[15] Physicians’ Desk Reference; Kastrup, Drug Facts.

[16] Kristine Severyn, “Abortifacient Drugs and Devices: Medical and Moral Dilemmas” Linacre Quarterly, August 1990, 55.

[17] Walter L. Larimore and Joseph Stanford, “Postfertilization Effects of Oral Contraceptives and their Relation to Informed Consent.” Archives of Family Medicine 9 (February, 2000); Walter L. Larimore, “The Abortifacient Effect of the Birth Control Pill and the Principle of Double Effect,” Ethics and Medicine, January 2000.

[18] Walter L. Larimore and Randy Alcorn, “Using the Birth Control Pill is Ethically Unacceptable,” in John F. Kilner, Paige C. Cunningham and W. David Hager (eds), The Reproduction Revolution (Grand Rapids, MI: W.B. Eerdmans, 2000), 179-191.

[19] Susan Crockett, Joseph L. DeCook, Donna Harrison, and Camilla Hersh, “Using Hormone Contraceptives Is a Decision Involving Science, Scripture, and Conscience,” in John F. Kilner, Paige C. Cunningham and W. David Hager (eds), The Reproduction Revolution (Grand Rapids, MI: W.B. Eerdmans, 2000), 192-201.

[20] Stanford JB, Daly KD. “Menstrual And Mucus Cycle Characteristics In Women Discontinuing Oral Contraceptives (Abstract).” Paediatr Perinat Epidemiol 1995;9(4): A9.

[21] Chowdhury V, Joshi UM, Gopalkrishna K, Betrabet S, Mehta S, Saxena BN. “‘Escape’ Ovulation In Women Due To The Missing Of Low Dose Combination Oral Contraceptive Pills.” Contraception 1980;22(3):241-7.

[22] Alcorn, “Does The Birth Control Pill Cause Abortions?”; Larimore WL, Stanford JB. “Postfertilization Effects Of Oral Contraceptives And Their Relation To Informed Consent.” Larimore WL. “The Growing Debate about the Abortifacient Effect of the Birth Control Pill and the Principle of the Double Effect.” Ethics and Medicine: in review.

[23] DeCook JL, McIlhaney J, et al. Hormonal Contraceptives: Are they Abortifacients? (Sparta, MI: Frontlines Publishing, 1998).

Original: http://www.epm.org/resources/2010/Feb/17/short-condensation-does-birth-control-pill-cause-a/

Reflexões sobre alimentação

real-foodVivemos em uma sociedade cheia de valores opostos.

Na alimentação, nosso governo ditatorial não permite:

– Que tomemos água pura, apenas com flúor;
– Que usemos sal puro, apenas o refinado acrescido de aditivos (iodo);
– Que compremos farinha de trigo pura, apenas acrescida de aditivos (ácido fólico e ferro);
– Que tomemos leite cru – e consequentemente produtos a base de leite cru, como o famoso queijo que é proibido de ser vendido fora do estado de Minas Gerais.

No entanto a indústria alimentícia não deixa de ganhar regalias, para produzir comida-lixo e maximizar seus lucros:

– Um produto para ser vendido como chocolate antes deveria ter 35% de cacau. Hoje esse valor caiu para 25%;
– Um pão para ser denominado como integral, antes deveria conter 50% de farinha integral. Hoje esse valor caiu para 30%;
– Comidas que são mais do que comprovados os seus malefícios são vendidas e largamente propagadas;
– Está mais do que provado que diversos aditivos são potencialmente perigosos à saúde, mas seu uso industrial não para de crescer;
– Tente comprar produtos à base de milho que não seja transgênico: farinha de milho, fubá, amido de milho, fermento químico.

This entry was posted in Outros.

Estudo liga uso de anticoncepcionais e baixo desejo sexual

As mulheres que utilizam anticoncepcionais hormonais, como as pílulas e os adesivos de pele, costumam ter menor atividade sexual que outras, indica um novo estudo realizado por universidades da Alemanha. A disfunção sexual feminina (FSD, na sigla em inglês), que inclui baixas libido e satisfação sexual, é uma condição que é ligada ao estresse, vulnerabilidade biológica e fatores de relação. Contudo, a pesquisa indica que os anticoncepcionais também podem estar ligados a esse problema. As informações são do Live Science.

Segundo a reportagem, os pesquisadores analisaram 1.046 mulheres, todas estudantes na área médica, que usaram apenas um tipo de medida anticoncepcional e estavam sexualmente ativas nas quatro semanas anteriores ao estudo. Das entrevistadas, 32,4% eram consideradas com risco de desenvolver FSD e 20,4% de desenvolver qualquer outra disfunção sexual.

As mulheres que utilizaram medidas anticoncepcionais não-hormonais foram as que tiveram melhor pontuação no teste. Além disso, as fumantes tiveram escores mais elevados do que as não-fumantes.

De acordo com o pesquisador Alfred Mueck, da Universidade de Tuebingen, os resultados são preliminares e, portanto, mostram apenas associação, e não causalidade. Contudo, ele diz que a ligação entre os anticoncepcionais hormonais e as disfunções sexuais abre uma nova porta para medidas contra um persistente problema de saúde feminino.

“FSD é uma desordem muito comum. (…) Duas a cada cinco mulheres tem pelo menos uma disfunção sexual, sendo a mais comum o baixo desejo”, diz a pesquisadora Lisa Maria Wallwiener, da Universidade de Heidelberg.

Fonte: Terra