Papai Noel: diversão inofensiva ou distração do Natal?

Essa é uma época de perguntas e controvérsias. Ontem conversamos com um historiador a respeito do debate histórico sobre se Herodes o Grande realmente matou todos os meninos em Belém, ou se a história é ficção da Natal. Hoje falamos sobre um debate cultural sobre o Papai Noel.

Claro que esta é a temporada para as perguntas de Papai Noel aqui no “Ask Pastor John”. Temos mais de 50 perguntas sobre este tópico. Agora é claro, Pastor John, como você sabe, existe uma figura histórica grega do século IV chamada São Nicolau. Mas a maioria das perguntas (eu acho que todas as perguntas) que recebemos são sobre o Papai Noel mítico, de barba branca, vestido de vermelho, voando com renas – este mesmo. Corbin, de Gainesville na Geórgia, escreve para perguntar: “Pastor John, os pais devem permitir que seus filhos acreditem que o Papai Noel está trazendo à eles presentes no Natal?” O que você diria sobre Papai Noel?

Depois da Páscoa, o Natal deve ser o dia mais feliz do ano na adoração cristã. A razão que eu digo “depois da Páscoa” é que a Sexta-feira Santa e a Páscoa é o objetivo do Natal. A morte e ressurreição, a salvação dos pecadores através da morte e ressurreição de Jesus, é a meta do Natal. Natal não é o objetivo da Páscoa. O Natal é um meio. A salvação dos pecadores na Sexta-feira Santa e na Páscoa é a meta.

Jesus veio no Natal para buscar e salvar os perdidos (Lucas 19:10). Jesus veio no Natal para salvar os pecadores (1 Timóteo 1:15). Jesus veio no Natal para dar sua vida como resgate por muitos (Marcos 10:45). Jesus veio no Natal não para chamar os justos, mas os pecadores (Mateus 9:13). Jesus veio no Natal para destruir as obras do diabo (1 João 3:8). Jesus veio no Natal para que por meio da morte ele pudesse destruir aquele que tem o poder da morte (Hebreus 2:14).

Assim, o nascimento do Filho de Deus, Deus e homem, é simplesmente deslumbrante e glorioso e infinitamente sério – um transbordamento da feliz notícia. O anjo chamou-a de “boas novas de grande alegria” (Lucas 2:10) – grande alegria, não pequena alegria; Não um pouco de alegria, mas grande alegria.

A minha pergunta é esta: como poderíamos porventura sequer pensar em dar aos nossos filhos uma tigela de mingau sem sabor e sem açúcar quando lhes é oferecida a maior refeição do mundo? Por que dar-lhes o Papai Noel quando eles podem ter a encarnação do Filho de Deus? É simplesmente incompreensível para mim que qualquer cristão sequer contemple tal troca – que desviemos nossa atenção da encarnação do Deus do universo neste mundo para salvar a nós e nossos filhos. Eu mal tenho palavras para isso, que as pessoas contemplem tal coisa. Não só Papai Noel não é verdadeiro e Jesus é muito verdadeiro em si mesmo, mas em comparação com Jesus, o Papai Noel é simplesmente lamentável e nossos filhos devem ser ajudados a ver isso.

– O Papai Noel oferece apenas coisas terrenas, nada duradouro, nada eterno. Jesus oferece a alegria eterna com o mundo de bônus. Sim, o carrinho de bombeiros também é um bônus.

– O Papai Noel oferece coisas efêmeras apenas com a condição de boas obras. Ele sabe quando você está dormindo. Ele sabe quando você está acordado. Ele sabe quando você tem sido ruim ou bom, então seja bom para o seu bem. Isso é puramente religião de obras. E Jesus oferece a si mesmo e todos os dons gratuitamente pela graça através da fé.

– O Papai Noel é faz-de-conta. Jesus é mais real do que o telhado em sua casa.

– O Papai Noel só aparece uma vez por ano. Jesus promete: “Eu estarei sempre convosco” (Mateus 28:20). Você diz para o seu filho todas as noites: Ele está de pé ao lado de sua cama. Ele está com você quando você se levanta pela manhã. Ele está com você quando vai à escola hoje. Se mamãe e papai morrerem, ele estará lá com você. Papai Noel não segura uma vela para esta chama: Jesus.

– O Papai Noel não pode resolver nosso pior problema, mas Jesus resolveu o nosso pior problema – nosso pecado e nossa alienação de Deus. O Papai Noel pode colocar um pouco de cobertura sobre o bolo da vida boa, mas ele não pode pegar uma vida quebrada e reconstruí-la com esperança eterna. E nossos filhos precisam saber isso sobre o Natal.

– O Papai Noel não é relevante em muitas culturas do mundo. E Jesus é o Rei dos reis e Senhor dos senhores de todos os povos do mundo.

– O Papai Noel será esquecido algum dia, e Jesus será o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hebreus 13:8).

Então Tony, não há competição aqui. Não consigo ver por que um pai ou mãe – se eles conhecem e amam Jesus, se eles encontraram em Jesus o maior tesouro do mundo – por que eles tirariam Jesus da celebração e trariam o Papai Noel para dentro da celebração no fim das contas. Ele é simplesmente irrelevante. Ele não tem nada a ver com isso. Ele é sem valor.

Meu conselho é colocar todos seus esforços para tornar seus filhos tão felizes quanto eles possam ser, com todo tipo de surpresa que esteja enraizada no verdadeiro significado do Natal. Deixe suas decorações apontar para Jesus. Deixe sua comida apontar para Jesus. Deixe seus jogos apontar para Jesus. Deixe seu canto apontar para Jesus. Se alegre mais que o mundo. Seja mais generoso que o mundo. Decore melhor que o mundo, e deixe tudo apontar para Jesus. E se ser centrado em Jesus não traz alegria para o seu Natal, então você não o conhece bem.

Traduzido de: http://www.desiringgod.org/interviews/santa-claus-harmless-fun-or-christmastime-diversion

This entry was posted in Outros.

Com quem você é casado(a)?

wyeth

“Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera se for de outro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for de outro marido. Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.” Romanos 7:2-4

Nós nos casamos com o Sr. Lei. Ele era um bom homem, à sua maneira, mas ele não entendia a nossa fraqueza. Ele chegava em casa todas as noites e perguntava: “Então, como foi o seu dia? Você fez o que eu disse para você? Fez as crianças se comportarem? Você perdeu tempo com alguma coisa? Completou tudo que eu coloquei na sua lista de tarefas?” Eram muitas exigências e expectativas. E por mais duro que tentássemos, nós não poderíamos ser perfeitos. Nós nunca poderíamos satisfazê-lo. Esquecemos as coisas que eram importantes para ele. Deixamos as crianças se comportam mal. Nós falhamos de muitas maneiras. Foi um casamento infeliz, porque o Sr. Lei sempre apontava as nossas falhas. E o pior de tudo era que ele estava sempre certo! Mas seu remédio era sempre a mesmo: fazer melhor amanhã. Nós não fazíamos, porque não podíamos.

Então, o Sr. Lei morreu. E nós casamos novamente, desta vez para o Sr. Graça. Nosso novo marido, Jesus, chega em casa todas as noites e a casa está uma bagunça, as crianças estão sendo desobedientes, o jantar está queimando no fogão, e ainda temos outros homens na casa durante o dia. Ainda assim, ele puxa-nos em seus braços e diz: “Eu te amo, eu te escolhi, eu morri por você, eu nunca te deixarei, nem te desampararei.” E o nosso coração derrete. Nós não entendemos esse amor. Esperamos que ele nos despreze, rejeite e humilhe, mas ele nos trata tão bem. Estamos tão feliz de pertencer a ele agora e para sempre, e desejamos ser “totalmente agradável a ele” (Colossenses 1:10)!

Ser casada com o Sr. Lei nunca nos mudou. Mas ser casada com o Sr. Graça está nos mudando profundamente por dentro, e isso é visível.

Por Ray Ortlund

Original: http://www.thegospelcoalition.org/blogs/rayortlund/2015/02/20/who-are-you-married-to/

This entry was posted in Outros.

O que nós confessamos com nossa roupa

escolhendo roupas

O que nós vestimos diz muito mais sobre nós do que pensamos.

Muitos de nós provavelmente mal pensamos em nada quando nos vestimos pela manhã. Mas algo realmente profundo está acontecendo cada vez que vestimos nossas calças e colocamos uma camisa – ou cinco camisas se você vive em Minnesota nesta época do ano.

John Piper escreve , em seu novo livro de devocionais, “A Godward Heart: Treasuring the God Who Loves You” (Um coração inclinado para Deus : Valorizando o Deus que Ama Você), “Deus estabeleceu o uso de roupas para testemunhar a glória que perdemos.” As roupas eram parte da ira de Deus contra a nossa rebelião. Elas são uma marca visível de reprovação a um povo desobediente – pessoas que antes tinham sido puras, inocentes, sem vergonha e nus. Não havia necessidade ou finalidade para a Gap ou Old Navy antes da queda, mas agora usamos roupas em todos os momentos – primavera, verão, outono e inverno.

Encobrimento e Confissão

Nossa roupa é uma realidade muito humilhante – a mais antiga operação de encobrimento da humanidade. Por incrível que pareça, quase só pensamos nisso agora em termos de orgulho e aprovação, em termos de moda. Mas o vestiário do jardim, longe de estar na moda, foi um dos momentos mais fatais já conhecido na história.

Quando Deus vestiu Adão e Eva depois de suas tentativas patéticas, Piper descreve, ele estava dizendo: “Você não é o que você era e você não é o que você deveria ser. Cobrir a si mesmo com roupa é a resposta certa para isso – não para esconder, mas para confessar”. Nós confessamos com a nossa roupa que somos pecadores, que precisam ser purificados e que devemos ser cobertos até que sejamos feitos novos.

Nova Rebelião de Nudez

Nossas roupas confessam nosso pecado e a necessidade de salvação, mas Piper continua a dizer: “… e a isso é adicionado a rebelião de tirá-las.” Tragicamente, o horror de ter de usar roupas por causa da nossa rebelião é aumentada quando inadequadamente expomos nós mesmos ou consetimos com outros fazendo isso. A nudez, uma vez universalmente pura e boa, é manipulada, abusada e ostentada a fim de satisfazer o pecado, uma rebelião ainda pior ante o Deus que criou e cobriu nossos corpos.

A esperança de Revestimento

Mas o pecado do jardim e os pecados de luxúria e imodéstia não são o fim da história e do propósito das roupas nas Escrituras. Piper escreve: “Nossas roupas são um testemunho tanto para o nosso fracasso passado e presente quanto para nossa glória futura”. Roupas confessam nosso desespero pecaminoso, mas também anunciam o plano de Deus para nos vestir perfeitamente em Cristo. Como Deus matou os animais para cobrir Adão e Eva, ele matou seu Filho para cobrir seus escolhidos, pessoas débeis (Apocalipse 5:9). Ele pretende nos envolver nas imaculadas, santas, vestimentas gloriosas de nosso Salvador (Gálatas 3:27).

Ajuda diária para seu coração

Seguir Jesus começa com ouvir tudo o que ele nos ensinou, mas mesmo os melhores ouvintes devem aprender a aplicar a verdade para toda a vida, até mesmo seu vestuário. À medida que nos vestimos e despimos centenas de vezes a cada ano, nós devemos ter a consciência da dolorosa razão de vestimos qualquer coisa, uma sobriedade e modéstia na forma como nos vestimos, e uma esperança na promessa de Deus de nos vestir na perfeita justiça de Jesus. Portanto, o seu armário – não, não é o seu quarto de oração , neste caso – pode se tornar um momento surpreendentemente espiritual, colocando você e Deus em seus devidos lugares antes de começar seu dia.

Em “A Godward Heart”, Piper aborda muitas questões e problemas como a roupa – estereótipos, mídia social, justiça social, dons espirituais, política, criação de filhos e outros – tudo isso mantendo o objetivo principal de buscar um coração apaixonado por Deus em todas as circunstâncias. Os cinqüenta devocionais oferecem centenas de lições de vida que ajudarão você a cultivar a sabedoria de Cristo e adoração nos lugares que Deus colocou você no momento.

Marshall Segal (@MarshallSegal) é assistente executiva do John Piper, recentemente graduada no Bethlehem Seminary em Minneápolis, e autora de “Single, Satisfied, and Sent: Mission for the Not-Yet Married” (Solteiro, Satisfeito e Enviado: Missão para os ainda não casados).

Original: http://www.desiringgod.org/blog/posts/what-we-confess-with-our-clothing

This entry was posted in Outros.

Reflexões sobre alimentação

real-foodVivemos em uma sociedade cheia de valores opostos.

Na alimentação, nosso governo ditatorial não permite:

– Que tomemos água pura, apenas com flúor;
– Que usemos sal puro, apenas o refinado acrescido de aditivos (iodo);
– Que compremos farinha de trigo pura, apenas acrescida de aditivos (ácido fólico e ferro);
– Que tomemos leite cru – e consequentemente produtos a base de leite cru, como o famoso queijo que é proibido de ser vendido fora do estado de Minas Gerais.

No entanto a indústria alimentícia não deixa de ganhar regalias, para produzir comida-lixo e maximizar seus lucros:

– Um produto para ser vendido como chocolate antes deveria ter 35% de cacau. Hoje esse valor caiu para 25%;
– Um pão para ser denominado como integral, antes deveria conter 50% de farinha integral. Hoje esse valor caiu para 30%;
– Comidas que são mais do que comprovados os seus malefícios são vendidas e largamente propagadas;
– Está mais do que provado que diversos aditivos são potencialmente perigosos à saúde, mas seu uso industrial não para de crescer;
– Tente comprar produtos à base de milho que não seja transgênico: farinha de milho, fubá, amido de milho, fermento químico.

This entry was posted in Outros.